Direto do Twitter

26/04/2011

Como fazer disseminação de conhecimento em tempos de internet

Quando criei o Surdina, em 2008, sabia que estava fazendo algo relativamente irregular. Em 2007/2, quando comecei a trabalhar como professor substituto do Instituto de Letras da UFRGS, resolvi colocar na internet, em um blog, boa parte dos textos que eu estava trabalhando com meus alunos. Alguns eram ensaios retirados de livros, outros de jornais. Devo ter colocado também alguns textos literários que faziam parte do conteúdo das disciplinas. No início de 2008/1, organizei o material, registrei um domínio, contratei um servidor e coloquei o Surdina no ar. Fiz isso porque queria evitar ao máximo a circulação de cópias xerocadas dos materiais. A meu ver, o estudante que poupa seu dinheiro não fazendo cópias reprográficas fica com dinheiro sobrando pra comprar os livros que julga mais importantes.

Eu tinha sido contratado para ministrar cadeiras variadas de Literatura Brasileira. Eu sabia que nem todos meus alunos tinham interesse em aprofundar seus estudos em Literatura Brasileira. Alguns estavam lá por causa da Linguística, outros por causa de alguma Língua Estrangeira, ou simplesmente queriam estudar Língua Portuguesa. Então, eu não via por que os alunos deveriam tirar xerox de materiais que iriam pro lixo no fim do semestre. Com muita frequência, eu indicava algum ensaio retirado de algum livro de Antonio Candido, por exemplo. Os ensaios de Candido são muito lidos nos cursos de Letras (embora eu sinta que ele tem mais leitores na UFRGS que na USP ou em outras universidades, mas isso é uma outra conversa), mas cada livro seu de ensaios reúne textos variadíssimos. Em Vários Escritos, por exemplo, Candido tem textos sobre Basílio da Gama, Machado de Assis e Carlos Drummond de Andrade, entre outros. Ora, segundo o currículo do curso de Letras da UFRGS, cada um desses autores é trabalhado em semestres diferentes. O primeiro aparece em Literatura Brasileira A; o segundo, em Brasileira B; e o terceiro, em Brasileira C. Para o aluno que se interessa por Literatura, o melhor é comprar logo esse livro, porque ele vai utilizá-lo muito ao longo do curso. E, se o estudante seguir fazendo mestrado e doutorado, será um livro de referência.

Mas se o foco não é Literatura, não faz muito sentido comprar esse livro. Livros são caros no Brasil, e estudantes normalmente não têm muito dinheiro para comprá-los. Por isso, professores e estudantes recorrem ao xerox. Eu só não precisei tirar cópias de nenhum texto em apenas uma cadeira de minha graduação inteira (no caso, era uma disciplina da Faculdade de Educação, e o professor gravou todos os textos num disquete que havíamos emprestado a ele — velhos tempos!). Quase todos meus professores solicitavam a leitura de textos e livros semanalmente. As bibliotecas das universidades federais, infelizmente, não conseguem sustentar as necessidades de seus estudantes. Todo ano, entram mais de 200 alunos no curso de Letras da UFRGS, mas a biblioteca não tem 200 exemplares da Formação da Literatura Brasileira, livro também de Antonio Candido que é lido na primeira cadeira de Literatura Brasileira, no primeiro semestre, embora nem todos professores solicitem a leitura do livro inteiro. Se a biblioteca tiver 50 exemplares, é muito (50? Se tiver 30, já é muito). Ou seja: como não tinha dinheiro pra comprar tudo (e, mesmo que tivesse, muitos livros estavam esgotados — e naquela época não existia a Estante Virtual), ou eu fazia cópias de boa parte dos textos solicitados, ou seria obrigado a ir às aulas sem ter lido os textos, prática que sempre abominei, mesmo não gostando da matéria.

Talvez fosse interessante que as editoras brasileiras organizassem seu catálogo de forma a vender, em formato e-book, textos individuais, além do livro inteiro, claro. Isso já acontece com a música (acho que todo mundo sabe que é possível comprar canções individuais, embora saia mais barato comprar o álbum inteiro). O problema é que o e-book ainda é caro no Brasil. Recentemente, uma editora lançou boa parte de seu catálogo nesse formato, mas quase todos os livros têm apenas R$ 1,00 de diferença para o livro impresso. A meu ver, algo está errado nisso.

De qualquer forma, depois que criei o Surdina, vários colegas professores começaram a indicar o site. Alguns me enviaram textos seus, além de textos de outros autores, para que eu linkasse o material. Quando algum texto não estava no Surdina, vários alunos perguntavam quando eu o linkaria. E, muitas vezes, indiquei links de textos e materiais esgotados, muito difíceis de serem encontrados. Confesso que perdi um pouco a paciência que eu tinha para atualizar o site. Já não tenho mais o mesmo tempo e nem o mesmo prazer em atualizá-lo, porque é muito raro alguém entrar em contato pedindo um texto, enviando um texto relevante ou simplesmente agradecendo a indicação do conteúdo.

Mas estou escrevendo isso tudo porque uma editora entrou em contato com o WordPress para retirar um blog que estava ali hospedado. O blog em questão, Letras USP Download, indicava links para download de textos lidos no curso de Letras da USP e de outras universidades. Era um blog muito organizado e que estava prestando um serviço fundamental para a disseminação do conhecimento. Mesmo assim, compreendo que as editoras não olhem com bons olhos esse tipo de serviço. Mas, antes de combaterem um blog, deveriam combater a prática das cópias reprográficas. Como? Certamente, não adianta fazer denúncias à Polícia Federal para que professores e centros de reprografia não aceitem reproduzir conteúdo protegido pela Lei dos Direitos Autorais. Isso suspende o problema apenas temporariamente. A Polícia Federal não vai colocar um agente diariamente em cada centro de reprografia de cada curso superior Brasil afora. Para combater esse tipo de problema, é necessário mudar a estratégia de distribuição e venda de conteúdo. A música já mudou. Resta saber quando o acesso ao conhecimento vai mudar também.

Quem tem interesse no assunto, pode seguir o Letras USP Download através do twitter @livrosdehumanas (e o jornalista @eduardosterzi também comprou a briga no apoio ao Letras USP Download). Duvido que a editora que derrubou o blog no WordPress consiga derrubar o twitter. No final das contas, o conhecimento continuará circulando, como deve ser.

PS: nunca ganhei nada com o Surdina. Só gastei. Os anúncios que estão na página são de empresas de amigos e da Livraria Cultura (mas pouca gente comprou livros linkados pelo Surdina e essas compras ainda não somaram o valor necessário pra retirada). Ninguém nunca quis anunciar oficialmente no Surdina. Mais um motivo de desânimo…

PS2: o Surdina não armazena os arquivos que estão linkados nas bibliotecas virtuais. Os textos e materiais estão apenas linkados ali. O Surdina não se responsabiliza pelo conteúdo dos arquivos. Se algum autor ficar incomodado, pode denunciar o link pro 4shared, que é o provedor onde estão armazenados os arquivos.

13/05/2009

Twittering

Ok, me rendi ao Twitter. Confesso que ainda estou aprendendo a lidar com a coisa, mas começo a achar bacana a possibilidade de ler rapidamente posts de pessoas de que gosto ou admiro, ainda mais num lugar só, sem precisar ficar clicando milhares de vezes em milhões de links. E o Twitter fica ainda mais bacana com o twhirl ou com o plugin TwitterFox, para Firefox.

13/11/2008

Site de cara nova

Atualizei totalmente o site d’Os Galãs da Menopausa. Arrumei alguns textos que continham informações confusas e equivocadas, incluí as novas canções para download, recém saídas do forno, novas fotos apresentando o Cereja (Alexandre Garcez, ou Alexandre Turnurinha, enquanto Galã), novo baterista da banda. Enfim, o site ficou bem bacana, eu acho.

Gostaria de registrar que teremos cds à venda no dia do show por um preço estupidamente irrisório. Caso você não tenha paciência pra downloads, guarde um troquinho pra sábado. Além do quê, o cd virá com capinha…

Não sabe quando é o show? Quanto? Onde? Por quê? Não entendeu nada do que estou falando? Confere tudo aí embaixo, nos post anterior.

27/08/2008

Época de revival: Cardosonline e Galãs da Menopausa

Marcelo, Claus e Tiago

Há 10 anos eu formava a melhor e mais duradoura banda que já tive na vida: Os Galãs da Menopausa. No início deste ano, montei um site chamado O Baú dos Galãs. O Claus (vocalista, guitarrista e mentor da banda) ficou muito empolgado com o site e me propôs que fizéssemos um show para comemorar o lançamento de dez anos da primeira fita demo, que chamava-se Vamos Dançar?. Claro que aceitei. Nunca consegui tocar com mais ninguém além do Claus. Sempre senti que nossos gostos se fechavam muito bem e que tínhamos uma química bacana. O Tiago (baterista) não topou a empreitada. Então escalamos o Cereja, que toca com o Claus na Super Gatas. Estamos ensaiando e em breve teremos detalhes a respeito de shows, apresentações na TV, turnês internacionais, etc. Pra quem nunca ouviu Os Galãs, basta acessar o site e conferir as musiquinhas que gravamos durante a existência da banda. Dá pra baixar tudo. Vou querer ver todos cantando…

Mas acabo de fazer uma pesquisa sobre o Cardosonline. Queria conferir o link pra enviar pra um amigo. Aí, descubro que hoje mesmo entrou no ar um site chamado Cardosonline 10 anos: nós inventamos a internet. Tá, talvez não tenha sido hoje, mas foi há poucos dias, porque encontrei um e-mail do Galera enviado pra revista Trip com data de hoje. O COL era um fanzine enviado por e-mail duas vezes por semana entre 1998 e 2001. Fez história, tinha milhares de assinantes, muitos deles ilustres, além de alguns outros ilustres desconhecidos. Todo mundo queria ser amigo do pessoal do COL. Todo mundo queria fazer parte do COL. Foi a coisa mais bem bolada que já surgiu na internet. Tá, talvez eu esteja exagerando, mas naquela época em que a internet era discada, receber por e-mail textos de qualidade escritos por gente tão próxima era o máximo, pelo menos pra mim. Nós éramos contemporâneos da UFRGS, mas eles eram da Fabico; eu, da Letras.

Hoje, cada um dos membros do COL está cuidando da vida. A Clarah tem um blog que é um fenômeno e seus livros inspiraram o filme Nome Próprio. O Galera tinha blog, lançou alguns livros (entre eles o ótimo Mãos de Cavalo e o muito bom Até o dia em que o cão morreu, que inspirou o filme Cão sem dono) e lança mais um até o fim do ano. O Mojo é o escritor mais ousado, experimental e interessante que surgiu no Brasil nos últimos anos, além de ser um lunático com milhares de projetos na rede. O Träsel dá aulas na PUC-RS, tem o Martelada e comanda o ótimo Conversas Furtadas. O Cardoso é o Cardoso… Dos outros, não sei muita coisa, mas é só digitar o nome de cada um que vocês encontram pérolas pelo Google. E, claro, não percam a chance de receber a edição especial de RIVÁIVOU. Eu já garanti a minha…

Alguém pergunta: e o que eu estou fazendo? No momento, vendendo um apartamento pra comprar outro. Tá a fim de comprar? Tá a fim de vender? Entra em contato… Senão, espera o show dos Galãs. Ou vai me assistir dando aulas na UFRGS. Ou então fica por aqui, que já tá de bom tamanho.

13/05/2008

novo tema

Pois então, este é o meu primeiro tema para WordPress e o novo tema deste blog. Espero que gostem. Ainda estou resolvendo pequenos problemas. Se você encontrar algo errado, por favor, entre em contato para avisar. Ficarei muito agradecido.

PS: Aos usuários do WordPress: em breve disponibilizarei temas gratuitos que estou construindo… Aguardem!

05/09/2006

[ rango & charlote ]

A internet avançou muito nos últimos anos. Existem centenas de sites interessantes e muitos com ferramentas muito úteis para qualquer tipo de trabalho. Mas a verdade é que são poucos os sites realmente bons pra se passar o tempo. E um desses raros exemplos é o Rango e Charlote, fotonovela do meu amigo Guilherme Verzoni.

Conheci o Guiti no curso de Letras. Ele já tinha abandonado o Direito nessa época. Ele publicou um livro de contos divertido naquele ano, 1998, chamado A Barata de Toga. Alguns anos depois, 2000 ou 2001, lançou uma novela muito bem escrita e com uma trama bem construída, Uísque Bar no Litoral. Aí acabou largando definitivamente a Letras, fez uns cursos de Publicidade na ESPM e voltou pro Direito. Mas o grande negócio do Guiti é criar. A cabeça dele está sempre antenada para tudo a seu redor. Desde um clássico italiano da década de 40 até o último gibi do Robert Crumb, nada escapa. E pra criar é assim: só cria quem tem imaginação, e só tem imaginação quem lê muito, quem assite a muitos filmes, desenhos e seriados, quem escuta muita música, enfim, quem consome arte e devora antropofagicamente as informações do dia-a-dia.

Rango e Charlote é uma fotonovela, ou Ficções Fotonovélicas. É uma mídia pouco explorada na internet, talvez esta seja a primeira tentativa séria, pelo menos no Brasil. O texto é todo do Guiti, e pra produzir a história tenho a impressão de que ele contou com o apoio de alguns amigos e, claro, da RadioAtiva, pra pôr no ar o material. A linguagem da história é direta, sem papas e recheada com alguns neologismos, referência direta ao Laranja Mecânica do Anthony Burgess, adaptado pro cinema pelo Stanley Kubrick num filme fantástico. As cores lembram algo anos 60 ou 80. A trama retrata um casal em franca decadência, lidando com seres exóticos a procura de algo que lhes satisfaça, mas que, parece, nunca será encontrado.

Tomara que a iniciativa do Guiti inspire outros a seguir o mesmo caminho. O resultado é ótimo. Confiram!

(Meus alunos estão produzindo algumas fotonovelas, baseadas em obras literárias. De acordo com a possibilidade e com a vontade deles, vou colocar esse material no ar).