Direto do Twitter

19/11/2006

[ grande sertão: veredas ]

Mesmo que você não conheça ainda ou que não pretenda ler isso agora, baixe a versão em pdf do clássico Grande Sertão: Veredas, um dos maiores romances da língua portuguesa, em vários sentidos, escrito pelo João Guimarães Rosa, mineiro falecido em 1967. Como disse o professor Luís Augusto Fischer, é um livro exigente, também é um presente fabuloso. A versão estará disponível, de forma gratuita, até dezembro.

[ 27ª bienal de são paulo ]

Pergunta pertinente: desde quando isso é arte?

18/11/2006

[ sonho de uma noite de verão ]

Semana passada, fui assistir à peça Sonho de uma noite de verão, de William Shakespeare, com direção da Patrícia Fagundes em montagem da sua Cia Rústica, e não me decepcionei. Eu já tinha escutado muitos elogios pra montagem, o que às vezes é um problema.

A peça é linda, sexy e divertida. Como o próprio release do site aponta, a montagem está situada em uma atmosfera de cabaré, o que pode ser considerado uma ousadia. Mas Patrícia acertou a mão, e ninguém sai insatisfeito da apresentação, o que aconteceu com outra montagem sua de Shakespeare, Macbeth, Herói Bandido. Mesmo assim, é de tentativas como essas que o teatro gaúcho precisa, algo que já comentei a respeito da montagem de Hamlet, do Luciano Alabarse.

Sonho de uma noite de verão ficou o ano inteiro em cartaz, mas acredito que deve retornar aos palcos no Porto Verão Alegre. Quem quiser ficar antenado, pode acompanhar a agenda do grupo, que incomoda um pouco por não ser regressiva quanto aos meses, apenas quanto aos anos.

Mas voltando aos comentários, parece que está virando moda atores executarem a trilha sonora no palco. E esse é outro trunfo da peça. O elenco, apesar de jovem, tem garra pra cantar as canções que foram elaboradas por Marcelo Delacroix e Simone Rasslan, com intervenções do grupo e da diretora. Além disso, as coreografias também são exigentes, mas apresentadas com muita beleza. A vontade que dá é de sair dançando junto com o grupo…

Também pretendo assistir logo à Mamãe foi pro Alaska, peça baseada em True West, do Sam Shepard, com direção do Ramiro Silveira, que fica em cartaz aqui em Porto Alegre apenas até o final desse mês.