Direto do Twitter

22/02/2010

Resposta aberta: mais Nei Lisboa

Caro João,

resolvi escrever um post porque minha resposta pra tuas colocações estava ficando muito longa. Então vamos lá.

Obrigado pela correção quanto ao Paixão Cortes. Eu confesso que não sou muito ligado na cultura tradicionalista, por isso o equívoco, mas me interesso por essas discussões a respeito da identidade gaúcha. De qualquer forma, já corrigi o erro no post.

Concordo que cada um pode pensar o que quiser e manifestar isso como e onde achar melhor. Realmente, Porto Alegre e o resto do Rio Grande do Sul têm espaços variados pra todo tipo de manifestação cultural, o que é muito bom.

Agora, você escreveu de maneira um pouco dispersa, me parece, então vou ser um pocuo disperso também e pontuar o que me chamou mais atenção:

1) Quando o Nei Lisboa disse que não gosta do Teixeirinha? Onde? Não foi na tal entrevista da ZH. Ou foi? Ele disse: “A música da minha terra, que eu ouvia de criança, o Teixeirinha, por exemplo, nunca me seduziu a ponto de eu profissionalmente produzir alguma coisa com ela. Tudo em torno dela me parece muito ruim, estética, ideológica e musicalmente. Isso inclui sobretudo o que o tradicionalismo tem feito com a música do Rio Grande do Sul nas últimas décadas. Eu comecei a me lançar na virada dos anos 1970 para os 1980, quando foi também o boom dos festivais, do tradicionalismo. E foi também, no começo dos 1980, que o rock brasileiro começou a mandar na cena. Enfim, que identidade musical a gente tem aqui em Porto Alegre? Há uma dificuldade nessa matéria.” Ele não disse que não gosta do Teixeirinha. Ele o ouvia quando criança. Só porque ele considera a música tradicionalista ruim estética, ideológica e musicalmente, não significa que ele não aprecia o Teixeirinha ou qualquer outro compositor da corrente. Reproduzi mais algumas frases aí porque trato do assunto abaixo.

2) Um dos problemas do Paixão Cortes e do Barbosa Lessa era a americanização que estava tomando conta do estado e do país. Na época em que eles idealizaram o MTG, a coca-cola estava entrando em larga escala no mercado brasileiro. Em São Paulo e no Rio, o modernismo já era reconhecido como o grande movimento artístico e cultural brasileiro. O próprio Paixão Cortes já contou essa história. Então, a briga é muito mais com a McDonaldização do mundo (expressão que o Luís Augusto Fischer criou e usa correntemente), que, de certa forma, ganhou uma contribuição do modernismo pra que se firmasse pelo país.

3) Sendo assim, está aí mais uma prova de que o MTG foi inventado. Ok, até aí quase nenhum problema, porque a maioria das tradições ao redor do mundo foram inventadas. Mas quando um grupo de tradicionalistas não aceita que alguém lembre que o movimento se transformou em atração turística com objetivos meramente financeiros e especulativos, chegando ao ponto de fazer ameaças de morte (ok, talvez estivesse brincando o cara que escreveu que faria com Nei o mesmo que aconteceu com o irmão dele, mas eu não acho que possamos brincar com a tortura da ditadura militar e seus desaparecidos políticos; isso é piada de mau gosto), a coisa parece que está fugindo do controle. E vamos combinar: a maioria das pessoas que defende as tradições gauchescas não as pratica de verdade. Ou estou errado? Na hora de gritar “Ah, eu sou gaúcho!”, é fácil reunir uma multidão, mas no dia a dia quantos cultivam as tradições? Meu palpite: menos de 10% da população.

4) E por que um número tão baixo? A resposta, a meu ver, explica também por que eu acho que o Nei Lisboa será mais lembrado que o Teixeirinha pelas gerações contemporâneas e vindouras: o mundo urbano ganhou o jogo, é a lógica urbana que rege o mundo; qualquer manifestação regional fica relegada a segundo plano, como coisa menor, mal feita. Não estou dizendo que concordo que deva ser assim nem que acho isso bom. Não é, realmente. (Seria ótimo se o povo gaúcho lesse mais Simões Lopes Neto.) E o Nei é um cantor urbano. O que ele faz é música urbana, mesmo que flerte com o pop, a mpb, o rock e até mesmo com a música tradicionalista (quem não lembra a belíssima “Exaltação”?).

5) Tentando concluir, o que eu acho errado nisso tudo é que querem nos fazer engolir uma tradição inventada, que não nos exprime. E querem fazer isso de maneira tão violenta quanto o modernismo e a americanização fizeram com a lógica urbana cosmopolista sobre a periferia do capitalismo e o mundo rural (Porto Alegre, por exemplo, é uma província até hoje, mas disso já falei; o Brasil também sempre esteve na periferia do capitalismo, só agora é que as coisas andam mudando). Aí vem a pergunta cabal: Precisa ser assim? Não dá pra achar um meio termo?

17/02/2010

A cidade que merecemos

Há algum tempo, rolou outra polêmica interessante aqui no Rio Grande do Sul. Na época, escrevi sobre o assunto, enviei pra ZH, mas não se interessaram em publicar. Por isso, agora resolvi postar o texto aqui. Na sequência, traço um rápido paralelo entre o post anterior, sobre o Nei Lisboa, e este aqui.

#########

A cidade que merecemos

Nunca fui aluno do professor Voltaire Schilling, embora desejasse ter sido. Temos amigos em comum, mas ele não deve saber da minha existência. Sei que ele é um homem com uma cultura refinada e dono de uma ironia única na capital gaúcha. Por isso, a recente polêmica iniciada por ele no jornal Zero Hora em 25 de outubro último, com o artigo A capital das monstruosidades, que atiçou os ânimos de artistas e intelectuais, deve ser pensada com cuidado. Em seu texto, Voltaire questiona o valor de algumas obras pretensamente artísticas e propõe a discussão a respeito da sociedade aceitar tão facilmente que elas passem a fazer parte da paisagem porto-alegrense.

No caderno Cultura de 31 de outubro, dois professores questionaram as ideias de Voltaire. Clóvis Da Rolt acredita que o artigo de Voltaire pode abrir espaço para uma discussão mais ampla a respeito de quem decide quais obras devem ser expostas em locais públicos e de como deve ser feita essa decisão. Apesar de questionar Voltaire com respeito, Da Rolt pensa “que ele poderia ter proposto uma reflexão seguindo outro caminho e não conduzindo o leitor a aderir, sumariamente, aos seus conceitos estéticos pouco ventilados”, concluindo que o debate foi proposto de maneira ingênua. Gaudêncio Fidelis classificou o artigo de Voltaire de demagógico e “manifesto iconoclasta”. Ora, a arte moderna é (ou foi), desde sempre, iconoclasta (talvez coubesse uma reflexão mais longa a respeito de onde começa e onde termina a arte moderna, se é que ela já terminou; no entanto, deixo para outra ocasião).

Quando li esses dois artigos tive a nítida sensação de que algo estava errado. Especialmente porque, a meu ver, o artigo do professor Voltaire não tinha realmente o objetivo de propor a  remoção ou a destruição das obras por ele citadas.

Digo isso especificamente por causa de um parágrafo de seu texto, o antepenúltimo, em que o professor classifica Porto Alegre de “cidade aprazível, moderna, povoada por gente simpática”, com belas mulheres e lar de grandes artistas. Aprazível é um adjetivo que depende muito da visão individual. Moderna, Porto Alegre definitivamente não é, nunca quis ser. Alguns habitantes acreditam que, porque agora temos uma Livraria Cultura e um aeroporto com túneis que nos conduzem diretamente ao interior do avião, deixamos de morar numa província. Porto Alegre não tem vocação pra modernidade. São Paulo é moderna, e por isso obras como a do artista paulista Henrique Oliveira, citado por Voltaire pela sua Casa Monstro, não parecem combinar com a paisagem porto-alegrense. No entanto, não a estranharíamos tanto se nos deparássemos com ela em São Paulo.

Gente simpática é outra classificação que dá o que pensar. Quando vou a uma loja, são raras as vezes em que me sinto bem atendido. Quando peço ajuda a um taxista para localizar uma rua, normalmente recebo a resposta de maneira rápida, beirando a grosseria. Quando entro numa livraria para olhar o seu acervo, sem ter um objetivo de consumo claro na cabeça, me olham como se eu fosse roubar algo. Isso é simpatia? Experimentem fazer isso tudo no Rio de Janeiro (ok, é uma cidade turística, preparada pra isso, mas Porto Alegre também não deseja ser turística?).

Com relação às mulheres, acredito que Fidelis exagerou ao chamar Voltaire de machista, mas acho que a discussão perde o foco se continuarmos por aí. Com relação aos artistas que viveram em Porto Alegre citados pelo professor Voltaire (Vasco Prado, Xico Stockinger e Danúbio Gonçalves), são todos exemplos de artistas modernos com obras que também são incompreendidas pela maioria.

No fundo, acho que Voltaire conseguiu o que queria: provocar a discussão. É uma pena que Voltaire teve de vir a público explicar suas ideias, que já estavam claras desde o início. No Cultura do dia 05 de dezembro, os jornalistas Eduardo Veras e Luiz Antonio Araujo entrevistaram o professor acerca de sua posição (a entrevista é agressiva, o que pode-se perceber pelas perguntas; a íntegra pode ser lida aqui). Ok, era difícil concluir que arte ele aprecia, mas afirmar que não tem senso estético e que suas ideias são demagógicas talvez seja o maior erro de Da Rolt e Fidelis. Afinal, Voltaire tem razão ao concluir que a maior parte da população não aceita a arte contemporânea, porque não a compreende. É fácil encontrar pessoas que olham para a Casa Monstro, por exemplo, e se perguntam se isso é realmente arte (concluindo, normalmente, que não é). Essas são as pessoas que acatam com tanta facilidade que essas obras sejam acolhidas naturalmente pela prefeitura. São as mesmas pessoas que não questionam por que não existe uma parada de ônibus em frente ao Museu da Fundação Iberê Camargo, ou por que ali não existe um semáforo e uma faixa de segurança. Se estamos nessa situação, é porque esta é a cidade que merecemos.

#########

A polêmica envolvendo o Nei é só mais uma prova de que o Rio Grande do Sul não é povoado por gente simpática nem moderna. Se fosse assim, as pessoas conseguiriam discutir o assunto com mais sensatez…

PS: quem nunca escutou o Nei, por favor, procure canções dele no Youtube ou em qualquer outro site. Claro, se puderem comprar os cds dele, não se arrependerão.

Nei Lisboa tocando o terror

O músico e compositor Nei Lisboa iniciou uma polêmica que, de tempos em tempos, retorna ao debate cultural gaúcho. Pra quem não acompanhou a história toda, precisa começar lendo a entrevista que o Nei deu pro Luís Bissigo, da ZH, em 25/01 último.

A declaração mais polêmica, sob o meu ponto de vista, foi também a mais inteligente: “A música gaúcha se torna intragável para qualquer pessoa mais esclarecida. Não é só o fato de não me representar. Eles foram absurdamente reacionários, a música começou a ser tutelada em termos do que vestir e não vestir em cima do palco, um absurdo. Qualquer adolescente urbano mediamente esclarecido, hoje em dia, se coloca a quilômetros de distância disso.”

Eu costumo trabalhar com meus alunos a Estética do Frio, texto do Vitor Ramil sobre a tensão que existe entre ser gaúcho e ser brasileiro. A discussão normalmente demora a engrenar, porque a visão que eles têm a respeito do assunto é muito bairrista. Poucos conseguem enxergar o problema com distanciamento. Só que o mais interessante dessa conversa é que a maioria dessas pessoas que defende o tracionalismo não pratica, no fundo, o tradicionalismo. Só tomar chimarrão não significa que a pessoa esteja cultivando um hábito gauchesco, tradicionalista. Ou seja: o tradicionalismo conseguiu fazer com que a consciência do gaúcho se transformasse de tal forma que o personagem por ele inventado (ele, o tradicionalismo) é representado por quase todo gaúcho em qualquer situação de ataque à cultura gauchesca, mesmo que a pessoa não tenha e, muito menos, costume usar trajes gauchescos; mesmo que a pessoa não tenha nenhum disco de artista gauchesco; mesmo que a pessoa não frequente CTGs; enfim, mesmo que a pessoa não tenha intimidade nenhuma com o tradicionalismo.

Pior: agora, esses tradicionalistas de ocasião ficaram tão irritados que estão ameaçando o Nei da maneira mais bagaceira possível. Ontem saiu em ZH mais um texto sobre a polêmica, em que vários artistas e representantes do MTG dão sua opinião sobre o que o Nei declarou. Em seguida, o próprio Nei foi convidado a se explicar e lá apresenta seu texto chamado “Não aos ‘patrões da cultura’” (também dá pra ler os dois textos aqui, com indicação pra um blog ridículo hospedado na ZH). Pra quem não sabe (e, certamente, muitos não sabem, inclusive alguns de vocês que estão me lendo e discordando de mim), nos CTGs mundo afora existem duas classes de trabalhadores: o patrão e os peões. Cada CTG tem um patrão, o resto é peonada. Parece piada, mas é sério. Com isso, logicamente o Nei quis cutucar esses patrões que, não contentes em mandar e desmandar no pequeno espaço que seu CTG representa, precisam também aparecer na mídia pra dizer o que é e o que não é tradicionalismo. (Eu já escrevi sobre isso aqui, e quem quiser pode clicar aí do lado, nas categorias, em Gauchismo, pra ler tudo que já escrevi sobre o assunto.)

Como todo mundo sabe, ou deveria saber, a maioria dos CTGs se transformou num espaço de exploração econômica. Em outras palavras, os CTGs são atrações turísticas que exploram uma tradição inventada (inventada mesmo, com data de fundação, inclusive — 1948 –, pelo Paixão Cortes e pelo Barbosa Lessa). E essa tradição inventada conseguiu muito poder, tanto que muitos tradicionalistas de ocasião começaram uma discussão fortíssima no site do Nei, com direito a ameaças de morte e física. Sem exagero, está tudo lá. Pelo menos, pra um cara como eu, dá pra lavar a alma: todos esses tradicionalistas destilam sua ignorância cultural nos seus comentários… Só é triste que, lógico, poucos assinam com o seu verdadeiro nome. (Fazer ameaças assim tem nome, chama-se covardia, algo que, dizem os tradicionalistas, não combina com o movimento.)